Ir para o conteúdo

Notícias recentes

19
set

Estão abertas as Inscrições para a Semana da Pedagogia!

A Semana de Estudos do curso de Pedagogia irá acontecer de 26 a 30 de setembro. A temática abordada esse ano será “Professores em Formação para um Mundo em Transformação”, e o evento será realizado na Escola Estadual Aurélio Arrobas Martins (Estadão), das 19h às 22h20.

As inscrições estão sendo feitas no Departamento de Marketing da Faculdade São Luís, com a taxa de R$25,00, até dia 23 de setembro. A Carga Horária da Semana será de 40h.

Confira a programação completa abaixo e inscreva-se!

PROGRAMAÇÃO

Segunda-feira 26/09

Cerimônia de abertura – 19h às 19h30

1 Palestra: A gestão escolar pela voz dos diretores da educação infantil.

Entre os discursos de administração e gestão da educação encontra-se a figura do diretor de escola, ultimamente e não mais unicamente denominado gestor. Diante da pesquisa realizada com diretores a respeito do trabalho cotidiano da gestão, foi possível observar que eles se encontram em uma crise identitária onde não se sentem líderes. Tal sentimento advém de sua atuação cerceada pelas ordens recebidas; a realização de tarefas que chegam a caracterizar desvio de função e, ainda, não contar com formações significativas, pois nos raros momentos de formação continuada que participam, são abordados aspectos burocráticos em detrimento do trabalho pedagógico, anulando o que deveria ser o seu papel precípuo.

Palestrante: Ma. Patrícia Ribeiro Tempesta Bertochi

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002); Especialização em Psicopedagogia pela Faculdade São Luís (2004); Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação Profissional/UFSCar, São Carlos (2016). Atua na área da Educação desde 1997, onde iniciou como agente educacional de CEC [Centro de Educação Complementar] e CER [Centro de Educação e Recreação/ infantil]. Em 2003 ingressou na carreira do magistério, como professora do ensino fundamental, nos anos iniciais. Entre os anos de 2006 a 2008 exerceu a função de professora coordenadora pedagógica em uma unidade do ensino fundamental. Em 2008, assumiu o cargo de diretora de escola de um Centro Infantil da Rede Municipal de Limeira, onde permaneceu por aproximadamente três anos. No final de 2010 retornou para a rede municipal de Araraquara trabalhando como diretora de escola do campo (educação infantil e ensino fundamental), em 2011 atuou em uma escola de 1º ao 9º ano com cerca de 1200 alunos e em 2014 permaneceu alguns meses como diretora de um CER. Desde meados de 2014 exerce a função de supervisora de ensino na Secretaria Municipal da Educação. Participou do Grupo GEPRAEM/UFSCar – Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Práticas Formativas e Educativas em Matemática,incluso na Rede Colaborativa de Práticas na formação de professores que ensinam matemática: múltiplos olhares, diálogos e contextos – OBEDUC. Desde 2014 participa do Programa Cresça e Apareça da Educação Infantil da rede municipal de Araraquara.

http://lattes.cnpq.br/2347100141868742

2- Palestra: Concepção Freiriana de Alfabetização de Jovens e Adultos  

Antes de mais nada é preciso dizer que toda educação contém em si um projeto de ser humano e de mundo que queremos, por isso ela é política, e como tal devemos explicitar como a concebemos, assim ao propormos uma educação dialógica e crítica, portanto problematizadora e consequentemente conscientizadora, democrática  e  libertadora, Paulo Freire torna-se irredutivelmente nossa maior referência.
Sabemos que a alfabetização é de máxima importância para o exercício pleno da cidadania, mas não qualquer alfabetização, não uma alfabetização como a oferecida na época da Ditadura militar no país, falamos de uma alfabetização que ultrapassa a decodificação de letras e números, falamos  de uma alfabetização que visa o empoderamento do sujeito, o controle social, a melhoria das condições de vida dele e de sua família, do seu bairro, da sua cidade… um sujeito com voz ativa, participativo que trabalha por meio do diálogo pacifico, na transformação de estruturas de poder consolidadas; por isso a educação é também crítica, conscientizadora e revolucionaria e pressupõe a sala de aula como num encontro de pessoas, um círculo de debates em busca do inédito viável. Porém, esperançosa, carregada de crença no por vir de um mundo melhor que não acontecerá como mágica, nem como dádiva, mas como resultado do trabalho de um povo organizado que sabe o que quer, que não se contenta com as coisas como elas são nem se conforma, mas, ao contrário trabalha para construção de um outro mundo possível, um mundo mais justo para todos, afinal o mundo não é (definitivo) este está sendo e será somente enquanto nós permitirmos.

Esta concepção, freiriana, rompe com paradigmas instaurados na forma de ensinar e aprender que se cristalizaram ao longo do tempo, o educando saí do lugar de objeto receptor de conhecimento e passa a ser sujeito de sua educação. Sua essência problematizadora, propõe como debate questões sobre a ordem econômica, social, cultural de maneira a procurar entender nosso papel enquanto sujeitos históricos, nos convidando a atuar cada vez na realidade injusta para transformá-la numa outra realidade possível.

Por ser democrática, é feita pelo povo, para o povo,  portanto, já  é passada a hora de dar um basta a escola como linha de produção de ideologias da hegemonia do poder da classe dos mais favorecidos, no fim, é isso, uma concepção baseada nas ideias de Paulo Freire, portanto uma prática política e pedagógica.

“Vem, vamos embora, que esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer”.

 

Palestrante: Ma. Jany Dilourdes Nascimento

Mestra pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2009), graduada em Pedagogia pela mesma instituição. Atuou como coordenadora estadual do Programa TOPA/BA (Todos pela Alfabetização) na área da Educação de Jovens e Adultos como assessora do Instituto Paulo Freire. Atuou como professora do curso de Pedagogia da Faculdade de Vargem Grande Paulista (UNIESP). Também trabalhou como coordenadora pedagógica do NEA-USP (Núcleo de Educação de Jovens e Adultos e Formação Permanente de Professores da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, exerceu o mesmo cargo no Alfasol (Programa Alfabetização Solidária), assumiu a tutoria no Pec (Programa de Educação Continuada) em nível superior para professores da rede Estadual de Educação), prestando vários outros serviços de assessoria a municípios por intermédio da Fundação de apoio a Faculdade de Educação (FAFE/USP).

http://lattes.cnpq.br/8375295794146691

 

Educanda e artista: Therezinha Brandolim (Tetê)

Artista plástica, alfabetizada aos 82 anos pelo método do educador Paulo Freire.  “Autodidata na produção de quadros, que têm por base o recorte e a colagem de flores de chita, Tetê já criou mais de 300 obras, realizou exposições e foi selecionada como destaque em 2015 na quadragésima Semana de Portinari, organizada pelo Museu Casa de Portinari. Zuzu e a artista plástica Cristiana Camargo começaram a preparar o livro “O Jardim de Tetê”, entre outros projetos. […]. Ela é um autêntico exemplo da força interior que floresce no exterior, uma belíssima história de reinvenção após os 80 anos” (Roberta Nagatsuka, 2016). “Acorda todos os dias com uma disposição inacreditável para cumprir o seu propósito de vida e mostrar que nunca é tarde para se descobrir o verdadeiro talento. Com sua tesoura ressignifica a chita, trazendo para o mundo da arte o pano que é a cara do Brasil. Tetê é como milhões de brasileiros: só precisa de uma oportunidade para florescer” (Maria Zulmira de Souza, 2016).

https://medium.com/@maturitynow/ela-colore-a-vida-com-jardins-de-chita-85e1110b1a77#.9piij6me5

https://medium.com/@mariazulmira/minha-m%C3%A3e-%C3%A9-um-cowboy-42060ced6f26#.4qwhl49u1

 

Terça-feira 27/09

 

1- Palestra: Educação Ambiental e formação de professores enquanto “sujeitos ecológicos”: processos de formação humana, empoderamento e emancipação

Existe um consenso em relação à importância da Educação Ambiental em nossa sociedade atual, compreendida como uma área do conhecimento que envolve conceitos multidisciplinares e convergentes para a formação de uma consciência ambiental crítica e emancipatória. Para tanto, é necessário preparar professores que atuem enquanto “sujeitos ecológicos”, ou seja, possíveis educadores ambientais no contexto educacional formal. Esta formação, inicial e/ou continuada, deve trabalhar a formação de uma identidade pessoal e profissional, ligada à temática ambiental e está intimamente relacionada com processos de educação enquanto formação humana, de empoderamento e emancipação.

 

Palestrante: Ma. Daniela Bertolucci de Campos

Doutoranda em Educação (UNESP). Mestre em Educação (linha de pesquisa: Educação Ambiental) pela UNESP (2007), licenciada e bacharel em Ciências Biológicas pela USP (2003), licenciada em Pedagogia pela UFSJ (2015) e especialista em EAD pela UNESP (2013). Área de atuação: ensino. Áreas de pesquisa: Educação Ambiental e Formação de professores. 

http://lattes.cnpq.br/1122800354152138

 

2- Palestra: Relato de Experiência do LAPEI- Laboratório Pedagógico da Educação Infantil , rede  municipal de ensino de Araraquara

Maria Cristina V. Gregorio do Nascimento

Cristinz Rosana Rodrigues

Jéssica Samara Lamorea de Castro

Luciana Cristina Rodrigues Scarmin

Reinaldo de Oliveira

Márcia Regina Braz

Maria Valéria Ramponi Molina

Márcia Junqueira de Castro

Dra. Maria Elisa Barbosa – UNESP Araraquara

Quarta-feira 28/09

1- Palestra: Formar-se professor: dimensão ética frente aos desafios da atualidade.

Será abordado o desenvolvimento dos aspectos éticos presentes tanto na formação como na atuação do professor, nos diversos âmbitos e níveis em que este se dá. A reflexão a esse respeito se mostra necessária, considerando as peculiaridades da demanda que se apresenta ao profissional, em sua prática cotidiana.

 Palestrante: Ma. Juliene de Cassia Leiva

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp – Campus de Assis (1995) e mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos (1998). Realizou a “Formação de professores para cursos semipresenciais e de educação a distância”, no nível de especialização, oferecida pelo Núcleo de Ensino a Distância da Unesp (2013). É doutoranda do programa de pós graduação em Educação Escolar da Unesp, Campus de Araraquara, pesquisando sobre política educacional no âmbito do ensino superior, especificamente na formação de psicólogos. Atua como professora nos cursos de Psicologia e Pedagogia do Centro Universitário de Araraquara – Uniara, ministrando disciplinas ligadas à produção de pesquisa, fundamentos epistemológicos da Psicologia, ética profissional do psicólogo e educação inclusiva. Atua na produção de materiais instrucionais e como tutora nos cursos de especialização a distância da Uniara. É membro do Comitê de Ética em Pesquisa da mesma instituição. Foi Orientadora de Disciplina no curso de Pedagogia Semipresencial Univesp/Unesp e tutora virtual no curso de Pedagogia a distância da UAB/UFSCar. Tem experiência na área de interface da Psicologia e Educação, estudando principalmente os seguintes temas: Formação do Psicólogo, Ética, Educação Especial/Inclusiva, Psicologia do Desenvolvimento, Metodologia da Pesquisa Científica e Educação a Distância.

http://lattes.cnpq.br/5729434450786512

2- Palestra: Infância e sexualidade: a mídia enquanto pedagogia cultural

As crianças, cada vez mais precocemente, são apresentadas aos diferentes recursos midiáticos e, através deles, vão adentrando em um fascinante mundo de possibilidades de entretenimento. Tais artefatos, aparentemente inocentes, não são neutros em suas mensagens. São pedagogias culturais que ensinam, de forma eficaz, às/aos pequenas/os, formas de serem mulheres e homens além de  reforçar, constantemente, estereótipos de feminilidades e masculinidades.”

 Palestrante: Esp. Maria Angelica Brizolari Pongeluppe

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho no eixo de “Formação de Professores em Educação Especial” no ano de 2007. Concluiu o curso de Pós Graduação Lato Sensu na área de Educação em Didática e Tendências Pedagógicas em 2011. Tem experiência em educação como docente dos anos iniciais do Ensino Fundamental e como gestora de escola. Atualmente é supervisora de ensino na rede municipal de ensino da cidade de Araraquara, é mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), campus de Araraquara, e atua como pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Infantil e Teoria Histórico Cultural.

http://lattes.cnpq.br/0713526800673130

 

Quinta-feira 29/09

1- Palestra: Trajetórias de jovens infratoras: dos significados do que é ser jovem nos espaços de privação de liberdade

A presente comunicação analisa as trajetórias escolares de jovens privadas de liberdade na Fundação CASA. Tais trajetórias são problematizadas sob o viés dos significados do que é ser jovem em instituições privativas de liberdade e de como essa privação pode, de certo modo, fomentar processos educativos atrelados à reprodução de atribuições e especificações reconhecidas socialmente como sendo do sexo feminino. As trajetórias ajudam a pensar a questão de gênero nesses espaços, nos quais reforçam e operam as assimetrias de gênero, de oposições entre masculino e feminino nos processos de construção da identidade. No caso das jovens, além da seletividade punitiva, a punição ganha outra dimensão: a perspectiva diferenciadora de gênero, na medida em que se avalia a condição de ser infratora sobre a perspectiva do desvio. Ser infratora, estar nessa condição é considerado inadequado ao que socialmente é esperado para uma conduta feminina; conduta esta forjada com base em atributos ligados a sexualidade, a reprodução e a atribuições no espaço doméstico. Sob essa perspectiva normalizadora, o controle exercido sobre essas jovens torna-se mais rígido, intensificando as relações de controle e de vitimização. Mais do que uma ideia de ressocialização, pressuposto historicamente defendido por estas instituições, verifica-se um processo de normalização, que corresponde à correção do desvio mediante ao que se poderia denominar de pedagogização do feminino (práticas socioeducativas e educativas), a partir de um modelo educacional, que tem em vista internalizar nessas jovens um modelo de mulher distinto aos atribuídos a jovens na condição de infratoras; atributos que sejam compatíveis com os ideais do mundo  doméstico e privado. E, por outro lado, consolidam-se práticas demarcadas pela imposição de concepções de vida e de existência, que incidem sobre a corporalidade dessas jovens, anulando-as em sua condição de ser e na sua integridade.

 

Palestrante: Dra. Joana DArc Teixeira

Possui graduação em Pedagogia – Habilitação em Educação Especial (deficiência Intelectual) – pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007). Mestre em Educação, pelo Programa de Pós-graduação da Universidade Federal de São Carlos, área Educação (linha de pesquisa “Práticas sociais e processos educativos”). Atua nas seguintes áreas de pesquisa: Sociologia da Infância e Juventude; Tópicos Específicos em Educação; Práticas de Ensino e Processos Educativos (em diferentes contextos) e Pensamento social e políticas públicas. Doutoranda em Ciências Sociais – Pensamento Social e Políticas Públicas – Unesp/Marília. É colaboradora e pesquisadora do Observatório de Segurança Pública (OSP), Grupo de Estudos em Segurança Pública (GESP) e Grupo de Estudos da Condição Juvenil (GEJUVE) coordenados pelo Dr. Luís Antônio Francisco de Souza. Tem experiência docente no Ensino Superior: cursos de graduação presencial e a distância (Pedagogia) e cursos de especializações (Educação Infantil, Docência no Ensino Superior, Gestão e Educação Especial). Experiência no Magistério da Rede Estadual Pública: Atendimento Educacional Especializado: Deficientes intelectuais 

http://lattes.cnpq.br/0752827814779023

 

2- Palestra: Habilidades sociais na infância: como podemos ensiná-las no ensino regular?

Nos últimos anos vem se fortalecendo os discursos e políticas que defendem a necessidade da educação abranger a formação integral do aluno, as competências para aprender, aprender a ser, aprender a conviver e a trabalhar em um mundo cada vez mais complexo e turbulento. Dentre as competências já reconhecidas nos sistemas educativos estão as relacionadas ao letramento, numeramento, outros conteúdos disciplinares e tão importante quanto essas, tem sido consideradas as competências socioemocionais. Ensinar competências socioemocionais requer compreender que elas são formadas por um conjunto de habilidades que são requeridas nas interações sociais, e que chamamos de habilidades sociais, dentre elas estão as habilidades de expressão de sentimentos, civilidade, as acadêmicas, as assertivas, de fazer amigos, de resolução de conflitos, entre outras. Os professores são considerados agentes educativos que precisam compreender essas habilidades como conteúdo de ensino, para então pensar o que e  como ensinar as habilidades sociais no contexto do ensino regular.

 

Palestrante: Dra. Andrea Rosin Pinola

Educadora, graduada em psicologia pela UNESP e em Pedagogia pela USP de Ribeirão Preto, Mestre em Educação Especial pela UFSCAR e Doutora em Psicologia pela USP-Ribeirao Preto. Atualmente, desenvolvendo projeto de POSDOC sobre formação de professores para o desenvolvimento socioemocional de alunos pela USP-RP e professora do Centro Universitário Estácio UNISEB. Com experiência na área de Educação e Psicologia da Educação, atuando principalmente nas seguintes disciplinas sobre educação inclusiva, deficiência intelectual, dificuldades de aprendizagem, formação de professores, pesquisa em educação, didática e currículo, educação à distância e psicologia das relações interpessoais.

http://lattes.cnpq.br/3017509923929449

 

Sexta-feira 30/09

EXPOSIÇÕES

Exposição 1 – II Mostra de Brinquedos e Jogos – Brinquedoteca/Pedagogia – Faculdade de Educação São Luís de Jaboticabal

No dia 30 de setembro, será possível visitar e apreciar a Mostra de brinquedos e jogos confeccionados pelos alunos do 5º semestre do Curso de Pedagogia (1º s/2016). A construção de brinquedos e jogos é parte das atividades desenvolvidas na disciplina de “Jogos e Recreação”, sob a docência da Profa. Dra. Fabiana Chinalia, que propõe um estudo atividades de pesquisa, com a revisão da literatura acerca do lúdico na educação escolar – a criação e confecção de brinquedos e jogos, recorrendo ao reaproveitamento de materiais de sucata, adequados às necessidades de desenvolvimento de crianças nas etapas da Educação Infantil e do Ensino Fundamental (anos iniciais). Uma ficha com a identificação do brinquedo e/ou jogo é anexada à sua embalagem, visando sua utilização no espaço escolar de modo a favorecer experiências lúdicas promotoras de desenvolvimento pleno.

Docente responsável: Dra. Fabiana Chinalia

Exposição 2 – Acessibilidade: um diferente olhar sob uma perspectiva inclusiva

Alcançar condições de acessibilidade significa conduzir à equiparação de oportunidades em todas as esferas da vida. Isso porque essas condições estão relacionadas ao ambiente e não às características da pessoa.

Falar sobre este alcance de condições de acessibilidade implica em falar de um processo que, na verdade, fomenta momentos em que novos conceitos, novas posturas e atitudes estão germinando. “Uma sociedade acessível garante qualidade de vida para todos, portanto, é um compromisso que deve ser assumido por todos nós, em nossas respectivas esferas de ação e influência” (Marta Gil, 2012). Este trabalho teve como objetivo investigar e analisar a Acessibilidade em diferentes perspectivas: espaços públicos e privados, meios de transportes e comunicação. Turmas:

Sextos semestres “A”, “B” e “C” do Curso de Pedagogia. Disciplina: Educação Inclusiva e Diversidade II.

Docente responsável: Profa. Dra. Sandra Cristina Lúcio Vellosa

 

Exposição 3 – As flores de Tetê Brandolim

Quadros feitos por Tetê em chita, tecido tipicamente brasileiro.  A técnica de colagem desenvolvida por ela aos 82 anos, produz poesias visuais floridas. A chita é a matéria-prima dos quadros de Tetê. Na técnica, inventada por ela, flor a flor, das minúsculas às grandes, são recortadas e montadas em telas que anunciam uma primavera constante.  A criatividade guardada por tantas décadas só se manifestou aos 82 anos, depois que ela começou a realizar o sonho mais acalentado: ler e escrever.  Quando era criança, era tirada da escola para trabalhar na roça. Depois, tentou por anos, sem sucesso, aprender nos programas de Educação para Jovens e Adultos. Tete só conseguiu entrar no mundo das letras no ano de 2013, com a ajuda do método Paulo Freire e da professora Jany.Com a realização do sonho, ela a cada dia a vontade dela é passar para os quadros a gratidão que tem pela vida, pelas letras, pela flores, por tudo.

https://www.facebook.com/Galeriatetebrandolim/

 

arte-semana-da-pedagogia

19
set

Centro Acadêmico de Direito promove palestra sobre Tribunal de Justiça nessa quarta.

O Centro Acadêmico do curso de Direito da Faculdade São Luís de Jaboticabal – CAD, juntamente com a coordenação do Curso, irá promover a palestra: “O Gigantismo do Tribunal de  Justiça do Estado de São Paulo”.

 

A palestra será ministrada por Kauy Carlos Lopérgolo de Aguiar, Graduado em Direito e Administração de Empresas e Pós-Graduado em Direito Processual Civil pela Escola Paulista da Magistratura. Servidor do Tribunal de Justiça por 39 anos, sendo dirigente do Cartório da Família e das Sucessões do Foro Regional V de São Miguel Paulista e do Cartório do 36º Ofício Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo. Entre tantos trabalhos e experiência, foi Diretor da equipe de funcionários da Corregedoria Geral da Justiça do Estado de São Paulo e ministrou cursos pela Corregedoria em todo o Estado de São Paulo com o Desembargador Vanderci Álvares. Atualmente exerce advocacia nas áreas cível e família e sucessões.

 

O evento será realizado no dia 21 de setembro, às 19h, na Câmara Municipal de Jaboticabal. Pedimos a gentil doação de 1 litro de leite, que serão doados ao Asilo São Vicente de Jaboticabal e Hospital do Câncer de Barretos.

evento-21set-cad

16
set

Curso de Ciências Biológicas promove Prática no Pátio na próxima segunda-feira.

Dia 19 de setembro, próxima segunda-feira, os Cursos de Bacharelado e Licenciatura de Ciências Biológicas irão realizar a Prática no Pátio 2016.

A temática abordada pelos alunos será: “Zumbis na Biologia”, sendo apresentadas formas de degeneração celular e  tecidual, processos de mumificação, artrópodes e serpentes que causam necrose através da picada, resposta imunológica, doenças parasitárias que causam necrose tecidual e outras atividades.

O evento acontecerá no Pátio de Entrada da Instituição. Prestigie!

 

BIOLOGIA1280-X-720---2

14
set

Acontece em outubro a I Semana de Engenharia de Produção!

De 03 a 07 de outubro será promovida a I Semana de Estudos do curso de Engenharia de Produção da Faculdade São Luís! O evento tem parceria com o CREA de Jaboticabal e as inscrições devem ser feitas na Coordenação do curso.

Veja a Programação completa abaixo e faça sua inscrição!

 

Programação do Evento

 De 03 a 07 de outubro de 2016

I Semana de Engenharia de Produção

Local da palestras: Auditório do CREA de Jaboticabal- SP

03-10-16 – Segunda-feira às 19h

19h – Palestra: Conceitos de Áreas Classificadas E Equipamentos Elétricos para Atmosferas Explosivas

Palestrante: Engenheiro Eletricista Rafael Rodrigues Fernandes
20h30 – Palestra: CREA-SP

21h – Coquetel / Encerramento

 

04-10-16 – Terça-feira

19h – Palestra: Tecnologias empregadas nas soluções de automação predial e residencial

Palestrante: Fernando Rodrigues Jesuíno – Engenheiro Eletricista 20h30 – Palestra: CREA-SP

21h – Coquetel/ Encerramento

 

05-10-16 – Quarta-feira

18h45 – ABERTURA

19h – Palestra: Foco e Motivação no Ambiente de Trabalho

Palestrante: Dra. Vitória Mantoan Padilha

20h30 – Palestra: CREA-SP

21h – Coffee Break

22h30 – Encerramento/Coquetel

 

07-10-16 – Sexta-feira

16h – Visita Técnica ao Departamento de Produção da Empresa Total Heslth

Local Jaboticabal – SP

 

Parceria com o CREA de Jaboticabal – SP

engenharia

 

14
set

Curso de Pedagogia promove Concurso de Fotografia sobre Docência! Sabia mais!

Com o tema: “Olhares sobre a Docência”, o curso de Pedagogia da Faculdade São Luís promove seu primeiro concurso de fotografia! Podem participar alunos e ex-alunos da Instituição, e a inscrição deve ser feita até dia 19 de setembro.

O concurso dará uma premiação aos 3 primeiros colocados e o resultado será divulgado no dia 30 de setembro, juntamente com o encerramento da Semana de Estudos do curso de Pedagogia.

Confira as regras do Concurso e como se inscrever abaixo!

Participe!

REGULAMENTO

CONCURSO DE FOTOGRAFIA

 

“OLHARES SOBRE A DOCÊNCIA”

Semana de Estudos do Curso de Pedagogia da Faculdade São Luís

26 a 30 de setembro de 2016

 

  1. PÚBLICO ALVO (quem pode participar)

Ex-alunos/as e Alunos/as matriculados/as nos cursos de graduação da Faculdade São Luís de Jaboticabal.

 

  1. DA INSCRIÇÃO

2.1 A inscrição para o concurso será realizada de 5 a 19 de SETEMBRO de 2016.

2.2 A FOTOGRAFIA, a FICHA DE INSCRIÇÃO e a DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE SOBRE A FOTOGRAFIA/ AUTORIZAÇÃO DE USO DE IMAGENS deverão ser enviadas para o email pedagogia@saoluis.br, até o dia 19 de setembro de 2016.

2.3 As fotografias deverão se enquadrar ao tema “OLHARES SOBRE A DOCÊNCIA”.

2.4 As fotografias devem estar acompanhadas de título, que deverá sintetizar a percepção do autor acerca da fotografia em questão, e descrição de até 5 linhas, que deverá conter informações que justifiquem seu enquadramento na temática do concurso.

2.5 Cada participante poderá inscrever UMA fotografia em cor ou preto e branco. A utilização de programa de edição de imagens via computador deverá ocorrer apenas para ajustes de parâmetros básicos, como cor, contraste, nitidez e saturação. Não serão permitidas alterações drásticas nas imagens (como colocação ou retirada de elementos) ou uso de efeitos especiais. Fotografias com evidências de uso de artifícios não previstos no regulamento serão excluídas pela Comissão Julgadora.

2.6 A comissão Organizadora deste concurso está totalmente isenta de qualquer implicação legal que as imagens possam motivar.

2.7 O material apresentado, depois de efetivada a inscrição, não poderá ser trocado ou removido, em parte ou no todo.

 

  1. DA SELEÇÃO E DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS

3.1 O material inscrito passará por um processo de seleção realizado por uma Banca Examinadora composta por convidados pela comissão organizadora do concurso. Os mesmos não terão acesso aos nomes ou qualquer identificação dos autores das fotografias;

3.2 Não serão selecionadas as fotografias julgadas impróprias pela comissão interna do concurso, ou seja, fotos que contenham conotação contrária aos bons costumes, à moral ou à legislação, ou incitem violência ou práticas de atos ilegais, ou ainda, que apresentem caráter de propaganda comercial de produtos.

3.3 Serão desclassificadas do concurso as fotografias que contenham manipulação ou montagem de imagens, exceto no caso de manipulação de imagem no quesito específico de tratamento básico, vinculado à cor, à saturação, ao contraste e ao brilho;

3.4 As fotos enviadas serão postas nas redes sociais do curso de Pedagogia, antes da divulgação do resultado final.

3.5 O resultado final será divulgado no dia 30 de setembros durante o encerramento da Semana de Estudos.

3.6 As fotos selecionadas serão enviadas à referida Banca cuja decisão será soberana e irrecorrível. A Banca Examinadora escolherá as 3 (três) melhores fotos, inscritas nesse concurso, com base nos seguintes critérios de avaliação: 1. Criatividade na composição e plástica da fotografia; 2. Melhor título e justificativa do significado da fotografia.

3.7 Todas as fotografias inscritas participarão de uma exposição durante a Semana de Estudos.

3.8 Casos de plágio, desde que devidamente comprovados, implicarão na desclassificação sumária e no acionamento do/a candidato para devolução e/ou ressarcimento de valores eventualmente investidos na divulgação e/ou premiação deste/a. candidato/a, assim como, sanções penais cabíveis.

 

  1. DA PREMIAÇÃO

4.1 Serão premiadas as fotografias que, segundo os critérios classificatórios, obtiverem a Primeira, Segunda e Terceira colocação no quadro classificatório geral. A premiação ocorrerá durante o encerramento da Semana de Estudos, no dia 30 de setembro.

4.2 OS PRÊMIOS SERÃO:

1° lugar: R$ 100,00

2° lugar: R$ 70,00

3° lugar: R$ 50,00

 

  1. OUTRAS INFORMAÇÕES

5.1 Os inscritos neste concurso, selecionados ou não, autorizam a partir da entrega da ficha de inscrição assinada, a publicação de suas fotos, sem fins comerciais, em qualquer um dos meios escolhidos pelo evento para divulgação deste concurso, por prazo indeterminado;

5.2 Trabalhos que não atenderem às exigências deste regulamento serão desclassificados;

5.3 O procedimento e a assinatura da ficha de inscrição vinculam o participante à aceitação deste regulamento. Os casos omissos serão solucionados pela Comissão Organizadora do Concurso.

5.4 Quaisquer dúvidas não solucionadas por este regulamento, devem ser encaminhadas para a organização pelo telefone 3209 1800, com Fabiana Stesse ou pelo email: pedagogia@saoluis.br

5.5 O não cumprimento de quaisquer das regras deste regulamento poderá causar, a critério dos organizadores, a desclassificação da fotografia e do participante. O ato da inscrição neste concurso implica na aceitação de todos os itens deste regulamento.

Jaboticabal, 05 de setembro de 2016.

 

Coordenadora Profa. Dra. Fabiana Stesse, Profa. Dra. Adriana da Silva Turqueti, Profa. Dra. Ana Beatris Lia Vaccari e Profa. Dra. Fabiana Chinália

Organizadoras da Semana de Estudos do Curso de Pedagogia

 

 

Baixe a Ficha de Inscrição e a Declaração de Responsabilidade clicando nos links:

  1. Ficha de Inscrição
  2. Declaração de Responsabilidade